Grande marcha em Santiago reúne mais de meio milhão de pessoas – Estado de Minas

Mais de meio milho de pessoas convergiam nesta sexta-feira (25) de vrios pontos de Santiago a uma praa do centro, exigindo reformas em um sistema econmico que consideram desigual e repetindo lemas contra o governo por responder com militares pior convulso social no Chile em trs dcadas.

“Uma concentrao acima de 500 mil pessoas (e em crescimento)” era celebrada em Santiago “de forma pacfica”, informou a Intendncia de Santiago pelo Twitter, com dados da Polcia chilena, quase uma hora depois do incio da manifestao multitudinria.

Entoando canes populares durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-90), pulando e exibindo bandeiras chilenas e mapuches (povos originrios do chile), os manifestantes se reuniram nas largas avenidas da capital para atender convocao da “Maior Passeata do Chile”, uma semana depois de um dos pases mais estveis da Amrica Latina se ver mergulhado em sua pior crise social.

“Provavelmente ser a maior de todos os tempos. Pedimos justia, honestidade, tica no governo, no que queiramos o socialismo, o comunismo; queremos menos empresas privadas, mais Estado e as propostas feitas (por Piera esta semana) vo arruinar o oramento para subsidiar as empresas privadas”, disse AFP Francisco Anguitar, de 38 anos, que trabalha em desenvolvimento de inteligncia artificial.

Em sua passagem pelo palcio presidencial de La Moneda, com milhares de pessoas insultando o presidente e os militares que isolavam esta rea no centro de Santiago, Anguitar enfatizou: “O que queremos algo bem feito”, em aluso s mudanas sociais que reivindicam.Estas manifestaes aparecem nas ruas como um movimento enorme e bem organizado, mas carecem de lderes identificveis, foram convocadas sobretudo por redes sociais e promovem protestos contra as sedes militares e meios de comunicao com panfletos que pedem para “no ligar a TV”.

As msicas “El baile de los que sobran” e “Por qu no se van”, que tornaram famoso o grupo de rock chileno Los Prisioneros quando Pinochet governava o pas com mo de ferro, so candadas por milhares de jovens na casa dos 20 anos, eufricos e que no temem o toque de recolher, nem os militares que patrulham as ruas desde a sexta-feira passada aps um decreto de emergncia emitido pelo presidente Piera.

Depois de sete dias com o pas semi-paralisado e alguns setores produtivos de Santiago operando a medias o nada, a bolsa desabou apenas na segunda-feira e depois seguiu sem grandes alteraes, assim como o dlar, embora tenha registrado uma alta esta semana, se mantm ao nvel similar do mesmo ms do ano passado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui