Presidente do BB: com tecnologia, privatizar banco é inevitável – Metrópoles

A revolução tecnológica no setor bancário, puxada por ?fintechs? e pelo ?open banking? (ferramenta que permite o compartilhamento de informações de clientes entre os agentes do setor), tornará a privatização do Banco do Brasil (BB) inevitável no futuro, disse nesta sexta-feira (25/10/2019) o presidente da instituição financeira, Rubem Novaes.

?Do jeito que a modernização do sistema bancário se acelera, nesse mundo de inovações constantes, é óbvio que uma instituição publica não vai ter a mesma velocidade de adaptação?, afirmou Novaes, após dar palestra durante almoço promovido pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

?Por enquanto, o banco ainda é extremamente eficiente e vai permanecer eficiente por algum tempo, mas, em algum momento, a perspectiva da privatização vai ter que ser enfrentada?, completou.

Mais sobre o assunto

  • Em julho, a instituição anunciou o Programa de Adequação de Quadros (PAQ) para equalizar situações de vagas e excessos no banco

  • Medida faz parte de plano lançado pela empresa para “reforçar a competitividade do banco e adequar a capacidade de atendimento”

  • Mais cedo, a Caixa Econômica anunciou redução horizontal de seus juros, com foco na pessoa física e jurídica

  • Esse tipo de crédito busca atender à demanda por operações financeiras mais curtas e com taxas mais baixas

O presidente do BB ressaltou que expressava sua ?opinião pessoal?, mas que tinha a expectativa de que esse posicionamento passasse a ser defendido pelo governo e pela ?classe política? como um todo. Novaes evitou responder se achava possível avançar na privatização ainda no mandato do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

SinergiaDurante a palestra, Novaes disse que as instituições financeiras terão que se adaptar ao mundo ?de open banking e fintechs? em ?dois, três, quatro anos?. De concreto, o presidente do BB reforçou que a estratégia de sua administração é privatizar todas as subsidiárias ou empresas nas quais o BB tenha participação que não tenham ?sinergia? com sua atividade principal.

Segundo Novaes, o BB busca um parceiro para reduzir sua participação em ?asset management?, na qual atua a BBDTVM, assim como fez com seu banco de investimentos. Em setembro, BB e UBS assinaram um memorando de entendimento e estão debruçados para concluir as conversas em torno da parceria na área de investimentos ainda este ano.

Após a palestra, Novaes disse que o modelo da parceria não seria igual, pois ?setores diferentes requerem parcerias diferentes?. Questionado, o presidente do BB evitou citar nomes de possíveis parceiros, mas disse que será estrangeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui