Em novos áudios, Fabrício Queiroz diz que se sente desprotegido diante de investigações – G1

Os jornais “Folha de S. Paulo” e “O Globo” publicaram, neste domingo (27), trechos de mensagens de áudio do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz. Nas gravações, Queiroz diz que se sente desprotegido diante das investigações sobre ele. Fabrício Queiroz mostra estar preocupado com o trabalho do Ministério Público do Rio. Em áudios de conversas por aplicativo, publicados neste domingo (27) pelo jornal Folha de S. Paulo, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro usa a palavra cometa para falar das possíveis consequências da investigação.

Segundo o jornal, a pessoa que fala com Queiroz não foi identificada. E a Folha não revela o nome de quem repassou as gravações a pedido da fonte da reportagem.

“É o que eu falo, pô, o cara lá está hiperprotegido. Eu não vejo ninguém mover nada para tentar me ajudar, aí. Ver, tal. É só porrada, cara. O MP está com uma p*** do tamanho de um cometa para enterrar na gente e não vi ninguém agir”, diz Queiroz no áudio.

A Folha diz que “não é possível determinar quem Queiroz chama de protegido”.

Em um outro trecho da conversa, a reportagem afirma que Queiroz lamenta por não poder mais atuar em favor da família, em razão da exposição do nome dele nas investigações: “É aquilo, cara. F***, por exemplo, se eu não estou com esses problemas aí, cara, a gente está de bobeira, a gente não ia ter que ficar fazendo muita coisa. E, com eles lá em Brasília, eu podia estar igual a você aí, andando. Aí dava para investigar, infiltrar, botar um calunga no meio deles, entendeu? P***, para levantar tudo. A gente mesmo levantava essa parada, aí”.

Queiroz é um dos principais alvos da investigação do Ministério Público do Rio sobre o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro. Os promotores suspeitam das práticas de lavagem de dinheiro, peculato e organização criminosa no gabinete de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual no Rio.

Fabrício Queiroz foi exonerado no fim do ano passado depois que um relatório do Coaf apontou movimentações financeiras suspeitas na conta dele, de R$ 1,2 milhão.

Segundo a reportagem, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro se oferece para blindagem do presidente Jair Bolsonaro: “É isso que eu te falei, está tudo ruim aqui no nosso estado, está tudo bagunçado, eu já sabia disso. Então, cara, eu, politicamente, só posso ir para partido, entendeu, cara? Aí, trabalha isso aí com o chefe aí, cara. Passando essa ventania aí, fica eu e você de frente aí. Pô, a gente nunca vai trair o cara. Você sabe dele, sabe disso. A gente brinda, brinda legal essa p*** aí. Espertalhão não vai se criar com a gente”.

A Folha de São Paulo diz que um dos áudios é de março deste ano. Segundo a reportagem, na conversa com um interlocutor não identificado, Queiroz faz menção de que falou com Jair Bolsonaro sobre a demissão de uma funcionária do gabinete de outro filho do presidente, o vereador do Rio Carlos Bolsonaro: “Na época, o Jair falou para mim que ele ia exonerar a Cileide porque a reportagem estava direto lá na rua e para não vincular ela ao gabinete. Aí ele falou: ‘Vou ter que exonerar ela mesmo’. Ele exonerou e depois não arrumou nada para ela, não? Ela continua na casa lá em Bento Ribeiro?”

A Folha de São Paulo diz que Cileide Barbosa Mendes foi funcionária fantasma do gabinete de Carlos durante 18 anos.

O jornal O Globo afirma que obteve a gravação na integra de um dos áudios em que Queiroz compara as investigações do Ministério Público sobre ele a um cometa. Segundo o jornal, a fonte pediu sigilo de sua identidade, e a gravação possui um total de 43 segundos. A reportagem teve acesso ainda a mensagens de texto e afirma que, quando Queiroz fala em hiperprotegido, ele se refere a Adélio Bispo.

Adélio Bispo é o autor do atentado contra o presidente Jair Bolsonaro, no dia 6 de setembro de 2018. A Polícia Federal concluiu que ele agiu sozinho e que tem problemas psiquiátricos. Ele está internado em um hospital por tempo indeterminado.

O Globo diz ainda que, quando Queiroz fala que queria estar em Brasília para investigar, botar um calunga, ele se refere ao desejo de descobrir um suposto mandante do crime contra Jair Bolsonaro.

Na quinta-feira (24), o jornal O Globo já tinha publicado um outro áudio em que Queiroz continuou falando sobre nomeações políticas em Brasília mesmo depois de ser investigado: “Tem mais de 500 cargos lá, cara, na Câmara, no Senado. Pode indicar para qualquer comissão ou, alguma coisa, sem vincular a eles em nada, em nada”.

O advogado de Fabrício Queiroz disse que os áudios são clandestinos e ilegais. A defesa afirma ainda que o conteúdo das conversas reforça que o ex-assessor não tem qualquer influência política que o favoreça.

A Folha de São Paulo transcreve ainda um outro trecho da mensagem de Fabrício Queiroz. Segundo a reportagem, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro disse: “Vamos ver no que vai dar isso aí para voltar a trabalhar, que já estou agoniado. Estou agoniado de estar com esse problema todo aí, atrasando a minha vida e da minha família”.

A defesa de Flávio Bolsonaro disse que não teve acesso aos áudios, que não pode confirmar a autenticidade do material e que só pode se manifestar depois de ter acesso, na íntegra, a todo o conteúdo das mensagens. A defesa de Flávio Bolsonaro afirmou ainda que não há qualquer irregularidade no gabinete dele.

Nós não tivemos retorno do Palácio do Planalto.

Ouça o podcast do Fantástico:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui