Intensidade energética da economia portuguesa aumenta 1% entre 2016 e 2017

A economia circular também está na mobilidade, com bicicletas feitas de resíduos descartáveis. Foto: Divulgação.

Bikes sustentáveis, produzidas com materiais que seriam jogados no lixo, como resíduos plásticos, têm sido mais comuns nos dias de hoje. Elas são um exemplo vivo da economia circular, que se inspira na lógica cíclica da natureza: assim como os frutos e sementes consumidos por animais se decompõem e se transformam em adubos para plantas, que depois crescem e dão frutos, no processo industrial é possível resgatar ativos já existentes, trazendo-os para um novo uso e uma nova vida.

É o que fez a startup sueca Vélosophy em parceria com a Nespresso. Depois de dois anos em desenvolvimento, a Re:cycle, uma bicicleta urbana elegante feita a partir de cápsulas Nespresso descartadas, acabou de ser lançada. Foram necessários apenas 300 expressos para fazer uma bicicleta. A Nestlé usa o alumínio em suas cápsulas, um material que pode ser derretido e totalmente reaproveitado. Uma edição limitada da bike já está sendo vendida por 1.290 euros (cerca de R$ 5.714,31) pelo e-commerce da Vélosophy (velosophy.cc).

Re:cycle, bicicleta feita a partir de cápsulas Nespresso descartadas. Foto: Divulgação.

A novidade evidencia a inteligência e a criatividade da economia circular, que “ressuscita” cápsulas ​​de café que seriam inutilizadas. Um estudo recente, encomendado pela empresa de café britânica Halo, estima que, por ano, 56 bilhões de cápsulas ​​produzidas no mundo acabam em aterros sanitários.

A primeira bike sustentável é brasileira

As bikes ecológicas já podem ser vistas rodando por cidades do mundo inteiro. Foto: Divulgação

Outro exemplo de bicicleta ecológica é a Muzzicycle, feita com garrafas pet recicladas. Criada pelo artista plástico uruguaio Juan Muzzi, radicado no Brasil, ela é uma bike leve, resistente, flexível e barata. Há modelos a partir de R$ 980. Sem soldas e amortecedor, não leva pintura e não enferruja. 

Muzzi mergulhou durante doze anos em pesquisas e testes para desenvolver sua bike brasileira. “Tenho a patente da primeira bicicleta de plástico reciclado do mundo”, ele diz. As encomendas podem ser feitas pelo site http://www.muzzicycles.com.br/, que oferece diversos modelos, todos sustentáveis. 

Juan e uma Muzzicycle, a bicicleta ecológica que custou 5,3 milhões de dólares em pesquisa para chegar ao modelo ideal. Foto: Divulgação.

O empresário é um empolgado defensor da economia circular, essencial nos dias de hoje, em que os recursos estão se esgotando e não há mais espaço para o lixo. É a máxima do francês Lavoisier, considerado o Pai da Química Moderna: “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.

A Muzzicycles já reciclou mais de 15 toneladas de resíduos plásticos e com eles, fabricou 132 mil bicicletas. Os resíduos utilizados vêm de organizações que trabalham com a coleta de sucata. As bicicletas são vendidas em diversas cores – ao gosto do cliente -, e nos aros o quadro de plástico pesa entre 5 e 6kg.

Segundo Muzzi, o processo de fabricação da sua bike, em comparação ao de uma tradicional, usa 96% a menos de energia e um mínimo de água. Foto: Divulgação.

Muzzi afirma que o material é bastante resistente, por isso mesmo, dá uma garantia vitalícia para suas bikes. “Elas não quebram nunca mesmo. É um produto para a vida toda”, afirma ele. “Mudando a roda, dá pra passar de pai para filho”, ele diz.

***Conteúdo semanal assinado pelo Pro Coletivo, blog parceiro de conteúdo, especializado em assuntos da multimodalidade. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui