Brasil é o país com maior percentual de casos de doping no UFC

novembro 9, 2019 0 Por jonatas

Eder Jofre: conheça a história do “galo de ouro” que só perdeu duas lutas de boxe

Olimpíadas 2020: entenda o Rugby Sevens, esporte “novo” na competição

Canoagem: conheça as diferenças entre as modalidades slalom e velocidade

O Brasil é, proporcionalmente, a nação mais maculada por casos de doping na “Era USADA”, uma vez que os Estados Unidos possuíram, em média, quase o triplo de atletas sob contrato com a empresa durante o período. A Rússia surge logo atrás, em terceiro lugar, com oito falhas em exames antidoping.

O primeiro brasileiro a testar positivo no programa foi Gleison Tibau, flagrado pelo uso de eritropoetina (EPO) em fevereiro de 2016 e suspenso por dois anos. De lá para cá, nomes de peso do esporte como Anderson Silva, Fabrício Werdum e Lyoto Machida testaram positivo para substâncias proibidas e foram suspensos pela agência.

A imensa maioria negou intenção no uso de algo ilegal, mas poucos conseguiram de fato reduzir suas penas. Junior “Cigano”, Amanda Ribas, Rogério “Minotouro”, Marcos “Pezão” e Augusto “Tanquinho” foram alguns dos nomes inocentados que tiveram suas penas reduzidas ou terminadas por completo.

O site oficial da USADA contabiliza todos os casos de doping do MMA e outros esportes, mas ainda não inclui os recentes casos de “Pedrita” e Bruno “Blindado”. Segundo levantamento da agência, 2179 amostras de urina e sangue de lutadores de MMA foram examinadas no primeiro semestre de 2019.

Veja mais de Guilherme Cruz no Yahoo Esportes” data-reactid=”36″>Veja mais de Guilherme Cruz no Yahoo Esportes

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter” data-reactid=”38″>Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter